Mi – Festival Música da Ibiapaba retorna em versão online abrindo inscrições para oficinas nesta quarta-feira (30/6)

Em sua 16ª edição, o Mi – Festival Música da Ibiapaba divulga agenda de oficinas com foco no estudo da Música e da Acessibilidade que seguem com inscrições gratuitas abertas de 30/6 a 07/7

A 16ª edição do Mi – Festival Música da Ibiapaba retorna de forma totalmente online, vibrando no tom certo: o do cuidado e da responsabilidade com a afinação na formação musical. Seguindo como um dos maiores festivais de formação musical do Brasil, o Mi é uma realização da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) e do Instituto Dragão do Mar (IDM) e acontecerá entre os dias 25 e 30 de julho com oficinas, shows, palestras, bate-papos e outros formatos de programação no ambiente digital. As inscrições são gratuitas. A ficha de inscrição bem como outras informações podem ser acessadas em www.festivalmi.com.br .

CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NAS OFICINAS DE MÚSICA


CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NAS OFICINAS DE ACESSIBILIDADE

O Mi – Festival Música da Ibiapaba é uma ação que agrega fomento às artes e formação ao mesmo tempo. É um festival de formação que reúne mais de mil jovens oriundos dos mais distintos lugares do Ceará e do Nordeste, que se matriculam nas oficinas ofertadas e ministradas por músicos renomados e experientes, aprimorando seus conhecimentos e processos criativos nos instrumentos que tocam e nas músicas que fazem. Além disso, sempre contou com uma programação artística na cidade de Viçosa, valorizando seu patrimônio histórico e potencializando o turismo na região da Ibiapaba. Este ano, sem perder sua identidade com a região e com a cidade de Viçosa, o MI se reinventa numa programação virtual, gerando conteúdos artísticos e formativos, principalmente através da oferta de oficinas, destaca o secretário Fabiano Piúba.   

“O grande desafio e inovação desta edição do Festival é trabalhar a formação musical em ambiente virtual. Pelo Instituto Dragão do Mar, acompanhamos experiências nessa área em diversos equipamentos da Secult sob nossa gestão. O compartilhamento de aprendizados e troca de experiências é uma das vantagens da gestão em rede, uma diretriz política da Secult executada em parceria com o IDM”, destaca Lenildo Gomes, Diretor de Articulação Institucional do IDM.

 

OFICINAS: MÚSICA E ACESSIBILIDADE

Na agenda formativa deste ano, abrem-se mais de 1000 vagas em 10 oficinas oferecidas com foco no estudo da Música e 05 oficinas que abordam a Acessibilidade, enquanto caminho democrático e urgente para seguirmos levando a arte e cultura, de fato, a todas e todos. Nomes como Nelson Faria, Mônica Giardini e Nicolas Krassik são exemplos de professores que entram para a trajetória formativa do Mi. As famosas e esperadas oficinas do Mi acontecerão na plataforma Google Meet. 

Além das oficinas oferecidas ao longo da programação, 03 oficinas acontecerão na véspera do evento, em caráter especial, de modo a preparar e sensibilizar professores, professoras, profissionais da cultura e pessoas interessadas na acessibilização de conteúdos artísticos. 

É uma forma de contribuir com a questão da acessibilidade cultural nos seus diversos aspectos, proporcionando um fruir artístico mais ampliado para as pessoas com deficiência e isso passa por oferecer oportunidades de qualificação para os profissionais que trabalham no mercado cultural. A música vibra e reverbera em todas as pessoas, sejam cegas, surdas ou com outro tipo de deficiência. Ela é genuinamente democrática. Sendo assim, o Mi segue sua essência de possibilitar, da sua forma, que o público, artistas e profissionais relacionados tenham condições de explorar e levar sua arte, de fato, a todas as pessoas, aponta Valéria Cordeiro, Coordenadora Geral do Festival Mi e Coordenadora da CODAC/SECULT-CE.  

SOBRE O CORPO DOCENTE

Além das pratas da casa como os cearenses Ferreira Júnior, Thiago Almeida e André Vidal, a 16ª edição do Mi apresenta nomes como o guitarrista Nelson Faria, um dos nomes mais requisitados para gravações, shows e workshops, desenvolvendo paralelamente trabalhos no exterior como instrumentista e arranjador, enquanto dá aula na Örebro Universitet, Ingesund Universitet e KMH. O paulista Hélio Ziskind, mais conhecido popularmente por sua contribuição no Castelo Rá Ti Bum e Cocoricó, da TV Cultura, que desenvolve hoje um trabalho afinado com audiodescrição, além de Mônica Giardini, primeira mulher a reger bandas sinfônicas no Brasil e o violinista francês radicado no Brasil, Nicolas Krassik. A coordenação pedagógica da 16ª edição fica por conta de Heriberto Porto, Arley França e Daina Leyton.

QUEM PODE  E COMO PARTICIPAR DAS OFICINAS

Podem participar do Mi – 16º Festival Música da Ibiapaba pessoas que atuam com Música: estudantes, educadores musicais, pesquisadores musicais e demais interessados na área que atendam os pré-requisitos das atividades previstas na programação de formação do festival. Para participar das atividades formativas do 16º Mi, as pessoas devem ter a idade mínima de 16 anos. O resultado da seleção dos participantes das oficinas do Festival Mi está previsto para ser divulgado no dia 12 de julho em suas redes oficiais.

Para se inscrever, é necessário estar com o perfil atualizado no Mapa Cultural do Ceará. Todas as informações podem ser encontradas no site www.festivalmi.com.br. 

O Mi – 16º Festival Música da Ibiapaba é realizado pelo Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura e do Instituto Dragão do Mar, em parceria com a Prefeitura de Viçosa do Ceará.

PROGRAMAÇÃO FORMATIVA

Lista corrida de oficinas, professores/as e datas

OFICINAS FORMATIVAS – MÚSICA – 26 A 30 DE JULHO

  • Prática de instrumentos de sopro: Metais (Trompete, trombone, bombardino, trompa e tuba) com RUBINHO ANTUNES (SP)

26 a 30/7 de 10h às 12h

  • Prática de instrumentos de sopro: Madeiras (clarinete, saxofone, flauta, oboé e fagote) com JOANA QUEIROZ (RJ)

26 a 30/7 de 10h às 12h

  • Criação musical para diversas linguagens com THIAGO ALMEIDA (CE)

26 a 30/7 de 10h às 12h

  • Performance vocal com ANDRÉ VIDAL (CE/DF)

26 a 30/7 de 10h às 12h

  • Metodologia do ensino de Música para bandas com MÔNICA GIARDINI (SP)

26 a 30/7 de 14h às 16h

  • Um jogo chamado Música: escuta, improvisação, criação e pensamento musical para educadores musicais com TECA ALENCAR DE BRITO (SP)

26 a 30/7 de 16h às 18h

  • Harmonia e improvisação, com NELSON FARIA (RJ)

26 a 30/7 de 14h às 16h

  • Cordas populares (violino, viola, violoncelo e contrabaixo) com NICOLAS KRASSIK (FR/SP/RJ)

26 a 30/7 de 16h às 18h

  • Arranjo em música popular com FERREIRA JÚNIOR (CE)

26 a 30/7 de 16h às 18h

  • Gestão para bandas de música com ARLEY FRANÇA (CE)
    27 e 28/07 de 19h às 21h

OFICINAS FORMATIVAS – ACESSIBILIDADE – 26 A 30 DE JULHO

  • Linguagens artísticas, pertencimento e culturas surdas com COLETIVO RAMARIA – Amanda Lioli, Amanda Assis e Nayara Rodrigues (SP)

26 a 30/7 de 14h às 16h

  • Audiodescrição no contexto dos Museus e Produções Audiovisuais com HÉLIO ZISKIND (SP)

26 e 30/7 de 16h às 18h

OFICINAS FORMATIVAS PRÉVIAS – ACESSIBILIDADE – 19 A 23 DE JULHO

  • Audiodescrição e o acesso às artes  com LÍVIA MOTTA e FELIPE MONTEIRO (SP) 

19 à 23/7 de 18h30 à 20h30

  • Formação para tradutores intérpretes ouvintes e surdos. I – Tradução de Músicas – fluência em LIBRAS com CAROL FOMIN, FABIO SÁ, LÉO CASTILHO, ÉRIKA MOTTA e ANNE MAGALHÃES (SP) 

19 à 21/7 de 10h às 12h

  • Formação para tradutores intérpretes ouvintes e surdos. II – A poética da tradução – fluência em LIBRAS com NAIANE OLAH, LIVIA VILAS BOAS, CAROL FOMIN e ANNE MAGALHÃES (SP) 

22 e 23/7 de 10h às 12h

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support