POCKET SHOW Bardos (Viçosa/Tianguá – CE)

Os Bardos vêm desde de 2015 produzindo música autoral e independente na Serra da Ibiapaba. Em 2016 conhecem o Estúdio Mangaio Cultural, situado na cidade de Tianguá- CE, onde iniciaram as gravações do seu primeiro disco, intitulado HUMANUM, e por meio do mesmo estúdio tiveram a oportunidade de fazer parte do movimento artístico que viria a se chamar Selo Mangaio. O conjunto é formado por três integrantes, Paulo Marcelo (Voz e Guitarra), Francisco Gustavo (Voz e Baixo), Roney Souza (Flauta e Percussões) e Webert-San (Bateria e Percussões).

Eles entoam seus cantos como um anúncio de uma Era, como o prenúncio de um Porvir escuro e incerto, Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse aqui ganham a forma de Quatro Cavaleiros do Vir-a-Ser, o show que se divide em 4 partes, é o anúncio do imperfeito, as músicas do álbum Humanum ganham a tonalidade da emergência, o ritmo que o show ganha nos empurra para a beira do abismo de onde o Ser-Humanum forja seu (Re) Nascimento, os Cavaleiros do Vir-a-Ser anunciam o declínio do Ser e seu alvorecer, pleno de som e poesia.

O primeiro álbum da Banda Os Bardos desponta no cenário atual da música brasileira como um vento fresco. Humanum é uma lufada de ar que desce da Serra da Ibiapaba forte, encorpada e certeira. O disco pode até falar do calor dos sertões e dos personagens que o povoam, mas olha por cima do ombro de gigantes – moradores de um olimpo insuspeito e heterogêneo: Luiz Gonzaga, Frank Zappa, Ednardo -, e o que essa mirada oferece é um passeio por imagens vívidas que apontam sempre para o inescapável tema da humanidade, em toda a sua glória e miséria. Humano, demasiado humano, diz o filósofo. O quarteto prefere ir pelo caminho menos racional, o da poesia, acreditando que acima do chão e abaixo do sol, nada é estranho. E nessas veredas, vai criando em Humanum um repertório de histórias que contam do homem comum e de sua dor encoberta. Seguindo em alguns pontos a tradição trovadoresca (como em A Morte da Bela Maria), Os Bardos costuram sua narrativa com uma linha rústica, quase como quem tece um gibão de vaqueiro, mas sem esquecer que, mesmo a peça mais utilitária precisa de enfeites brilhantes, como as estrelas de prata no chapéu de Corisco e Lampião. No disco, os astros reluzentes sobre o couro cru são os ricos elementos de jazz, música latina e dissonâncias que entremeiam letras sustentadas por formas poéticas populares do Nordeste brasileiro. Uma sextilha aqui, uma quadra ali, e a armadura do bravo sertanejo vai se formando entre sons, silêncios, gritos de feira e cantorias de igreja. Armadura que pode ser uniforme de combate ou couraça contra as intempéries sociais de nossos dias.

Os Bardos não fogem à luta em sua estreia. No álbum, o conteúdo político vem, como numa farsa de Ariano Suassuna, fantasiado de cenário pitoresco e distante de um sertão que não existe mais, idílico e infernal. Mas não se engane, ouvinte de Humanum: os personagens do drama somos eu e você, do mesmo jeito que as criações longínquas daquele outro bardo inglês do século XVI falam mais sobre nós do que fala o barulho incessante e ininteligível das redes sociais de nossos dias; loucura sem método. Os desvalidos de Ao Capitão Corisco são a banda e nós a entoar canções em formas e ritmos que compõe nossa multifacetada identidade de brasileiros: o xaxado que vira maracatu e que culmina num frevo em Homogenesis (embalando uma letra que cheira à poética de Gilberto Gil); o fuzz no meio da feira de Fábrica Vida; o flerte com o reggae e o jazz em Folheto: Rio das Matas. Enfim. Humanum é quase barroco em seus detalhes de gravação e produção. É um altar sonoro pagão, fruto do imaginário da banda, sob a batuta de Paulo Sidnei Luz, o cérebro analógico à frente do selo Mangaio.

Para arrematar a pintura – que bem poderia ser “Os Retirantes” de Portinari – o álbum conta com as participações primorosas dos artistas locais Mestre Quincas, e sua eloquente rabeca na ode ao Capitão Corisco, e o violonista Hernandes Ninho que empresta um lirismo doído (como tudo que é verdadeiramente belo) a Homogenesis. Alguém dirá que é loucura lançar música de cores tão regionais em tempos cuja palavra da ordem é o apagamento das fronteiras culturais. O remédio para o descrente talvez seja lembrar que o regional é, na verdade, o espelho do universal: aquilo que reflete o vasto mundo na miudeza do cotidiano, da cor local. A propósito da empreitada da banda tianguaense, concluiria então aquele outro bardo, o inglês: loucura sim, mas tem seu método.

Data

jul 28 2021
Expired!

Tempo

19:40 - 20:00

Local Time

  • Timezone: America/New_York
  • Date: jul 28 2021
  • Time: 18:40 - 19:00

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support