MESA “O papel e os desafios das OSCs na democratização do acesso à formação em música – Escolas livres da Cultura”, com Valeria Zeidan, Ewelter Rocha, Adriano Martins e mediação de Mona Gadelha

Valeria Zeidan

Musicista com formação em piano, mestra em Educação, Arte e História da Cultura pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie (2014), pós-graduada em Arte-terapia pelo Instituto de Artes da UNESP (2009) e bacharel em percussão pelo mesmo Instituto (1995). 

Destaca-se na área pedagógica musical trabalhando como professora na Pós Graduação Percussão Brasileira – Tradição e Invenção da Faculdade Santa Marcelina, e como Gerente pedagógica do Projeto Guri gerido pela Sustenidos desde 2016, além de ter exercido o cargo de coordenação artística, musical e pedagógica do Programa Guri Santa Marcelina (2015-2008), participado como consultora de música do Programa Fábricas de Cultura (2008-2007), foi ainda professora de linguagem musical da Universidade Livre de Música (2008-1996) e professora da Escola Municipal de Iniciação Artística – EMIA (1999-1993).

Desenvolve intensa atividade artística como integrante dos grupos “Mawaca” (1997- ), “Mutrib” (2006- ) e “Fogueira das Rosas” (2005- ), além de participar de grupos camerísticos, espetáculos teatrais e shows de música popular. 

Dedica-se a pesquisa e performance dos frame drums e sua relação com o pandeiro brasileiro. Nesta linha de pesquisa foi aluna de Ari Colares (Brasil), Glen Velez (EUA), Yshai Afterman (Israel) Zohar Fresco (Israel), Aleix Tobias (Espanha), Rui Silva (Portugal), Andrea Piccioni (Itália), além de outros professores por meio da participação em Festivais como Tamburi Mundi (Alemanha) nos anos de 2013, 2015 e 2020, Frame Drums Italia em 2018, e MED Monsanto (Portugal) em 2019. A partir desta pesquisa defendeu a dissertação de mestrado “Pandeiros – entre o Oriente Médio e a Península Ibérica, a trajetória dos pandeiros ao Brasil”

Ewelter Rocha

Ewelter Rocha é graduado em Música pela Universidade Estadual do Ceará, mestre em Música pela Universidade Federal da Bahia e doutor em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo. É pesquisador da USP, integrando os grupos PAM – Pesquisa em Antropologia Musical e GRAVI – Grupo de Antropologia Visual. Sua dissertação de mestrado foi premiada no IV Concurso Latino-americano de Musicologia, em Santiago – Chile. Sua tese de doutorado foi contemplada com o Prêmio Funarte de Música Brasileira, havendo recebido também o primeiro lugar no prestigiado concurso Silvio Romero. 

É professor do Curso de Música da Universidade Estadual do Ceará e professor do Mestrado em Artes do Instituto Federal do Ceará. Há dez anos atua no terceiro setor desenvolvendo ações artísticas e formativas relativas ao ensino de arte em projetos sociais. É coordenador do projeto de extensão Musicalizando Sonhos, atuando ainda como colaborador junto à Casa de Vovó Dedé e à MOVAMUS – Movimento de Valorização da Mulher, exercendo as funções de coordenador artístico e pedagógico. No campo da literatura, possui um trabalho diletante como contista e poeta, havendo produzido uma versão poética de sua tese, escrita em cordel. É curador do projeto Prosearte, um espaço de divulgação de obras literárias e capacitação de jovens escritores de Fortaleza. 

Adriano Martins

Experiência como professor de música na área de Bandas de música e em escolas particulares, ONGs e Prefeituras municipais no Estado do Ceará. Regente Titular da Orquestra de Sopros de Pindoretama desde 2014 e Maestro da Banda de Música do CEARC – Centro de Educação, Arte e Cultura do Município de Guaiúba de 2009 à 2012. Atuou como professor de música na Escola Municipal de tempo integral Centro Educacional de Arte e Cultura Portal da Serra do Município de Guaiúba no período de 2012 à 2013 e no Colégio de Ensino Fundamental Paulo Freire no Município de Fortaleza desde 2013, atuando inclusive nas séries iniciais(Infantil II, III, IV e V), de 2015 a 2017 atuou como Professor do Projeto Escola de Música de Itapajé, no Município de Itapajé. Professor de saxofone no Projeto FORTALECIMENTO MUSICAL, da Secretaria da Cultura do Ceará em 2009. 

Mona Gadelha 

Cantora, compositora, jornalista, produtora cultural. Coordenadora do Laboratório de Música do Porto Iracema das Artes desde 2014. Participou do disco “Massafeira” com sua música “Cor de Sonho” (lançado em 1980 e relançado em 2010/CBS-Sony, com livro e um ensaio assinado por ela,entre outros autores). Lançou sete discos (Mona Gadelha, 1996; Cenas & Dramas, 2000; Tudo se Move, 2004; Salve a Beleza, 2010; Praia Lírica, um tributo à canção cearense dos anos 70, 2011; e Cidade Blues Rock nas Ruas, 2013 – este também em CD ao vivo e DVD, 2014). Realizou inúmeros shows pelo Brasil, especialmente em São Paulo, onde residiu por 28 anos. Criou vários projetos culturais com circulação em São Paulo, entre espetáculos e exposições. Foi palestrante do WOMEX 2003, em Sevilha,ES, com o tema “World Music e inclusão social”. É autora dos perfis biográficos de José de Alencar e Petrúcio Maia (Coleção Terra Bárbara,da Editora Dummar). É citada no ABZ do Rock Brasileiro (de Marcelo Dolabela) como um dos nomes pioneiros da cena rock e blues do nordeste. Formada em Comunicação Social pela UFC, fez especialização em Globalização e Cultura pela Fundação Escola de Sociologia de São Paulo. É mestre em Comunicação na UFC, com pesquisa em performance e transgressão em Fortaleza nos anos 1970.

Data

jul 28 2021
Expired!

Tempo

17:00 - 19:00

Local Time

  • Timezone: America/New_York
  • Date: jul 28 2021
  • Time: 16:00 - 18:00
Categoria

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support